BBB21 E A DISCUSSÃO SOBRE MILITÂNCIA E CANCELAMENTOS

ORBITARTICLE

FEVEREIRO 2021

by

Logo.png

EMPATIA, DIÁLOGO E NÃO CANCELAR OS CANCELADORES 

O NOVO "ESPÍRITO DO TEMPO" DAS CONVERSAS SOBRE MILITÂNCIA E CANCELAMENTO NAS REDES - E COMO AS MARCAS PODEM COMPREENDER O FENÔMENO BBB21

Qual é o novo "espírito do tempo" das conversas sobre militância e cancelamento, a partir do fenômeno BBB21 nas redes?

 

Para responder estas perguntas, nós analisamos 4.996 tweets que possuíam a hashtag #bbb21, e que mencionaram as palavras “cancelamento”, “militância” ou suas derivadas, entre 20 de Janeiro de 2021 e 10 de Fevereiro de 2021. 

O recorte temporal consiste no período compreendido entre o início da conversa sobre o tema, que se deu assim que foram anunciados os participantes da edição, até três dias após a saída do participante Lucas, fechando um ciclo de conversas que teve ele como protagonista.

A seleção do Twitter como fonte dos comentários deu-se por se tratar da rede social que apresenta os comentários mais espontâneos, sem estar

necessariamente vinculados a posts, notícias, ou imagens, que naturalmente influenciam influenciam os comentários de redes como Facebook e Instagram.

 

A análise destes comentários levou à descoberta de 78 opiniões diferentes sobre o tema.

 

Para categorizar estas opiniões, foram utilizados os elementos da teoria da comunicação, de modo a tornar mais claro ao que se referem os sentimentos expressados.

 

Assim, as opiniões expressas estão divididas nas seguintes categorias:  Emissor, Receptor, Mensagem, Contexto, Impactos, e Geral


Lhe convidamos, a partir de agora, a observar estas opiniões, com o se relacionam, e como evoluíram a partir dos acontecimentos de dentro da casa do BBB.

Sejam bem-vindos!​

 

REDES MIGRAM PARA UM SENTIMENTO ANTI-CANCELAMENTO, QUESTIONANDO TAMBÉM AS FORMAS COM A MILITÂNCIA É EXERCIDA

Gráfico 1 - Consolidado das opiniões sobre "militância" e "cancelamento"em menções sobre o BBB21

20/1/2020 a 10/2/2021

PREDOMINANTES NO INÍCIO, PREOCUPAÇÃO COM FALTA DE ESPONTANEIDADE CAI CONFORME CANCELAMENTOS NA CASA REPERCUTEM NO TWITTER

O próximo gráfico apresenta a evolução das opiniões durante o período estudado.​ Logo em um primeiro olhar já nota-se uma descoberta interessante. A conversa sobre militância e cancelamento com a hashtag #bbb21 já existia mesmo antes do início do programa. Desde que foram anunciados os participantes o tema já foi ventilado nas redes sociais.

Uma vez iniciado o programa, a discussão torna-se mais frequente, porém é somente após o dia 27/01, com o desfile dos homens de maquiagem e subsequente conversa entre Caio e Lumena sobre o assunto que o tema explode no Twitter. A opinião “medo do cancelamento faz com que as pessoas deixem de ser elas mesmas” dispara, tendo mais de 50% da incidência do período inteiro somente nos primeiros 4 dias de programa. 

Após o pico de comentários sobre o desfile, inicia-se o período marcado pela jornada de Lucas Penteado, desde a festa na qual se indispôs com boa parte dos participantes até o episódio do beijo em Gilberto, que culminou com sua saída voluntária do programa. 

 

Após a festa no qual se indispôs com outros participantes, foram registrados picos de opiniões sobre a militância errada acabar por prejudicar a própria causa, e sobre nem tudo ser motivo para se militar.

Porém, nos dias subsequentes, com a reação dos outros participantes a Lucas, o que se vê é uma ascensão do cancelamento em si como principal assunto, com opiniões como “Redes sociais estimulam o cancelamento”

 

Atrelada a essa discussão sobre o cancelamento, também ascende uma discussão reversa sobre os canceladores,  sendo sua principal opinião a crítica “pessoas que lutam pelo fim do cancelamento cancelam os canceladores”. 

Durante o período da jornada de Lucas também houve um grande pico de comentários sobre a seletividade da militância, impulsionados pela discussão sobre a insistência de Karol Conká que culminou com seu beijo em Arcrebiano. Esta opinião segue entre as mais frequentes até o fim do período estudado. 

Nos últimos dias do período estudado,  com a saída de Lucas e a constante militância de Lumena na casa, a conversa voltou-se para os prejuízos trazidos pela militância às próprias causas, e pelas razões pelas quais se militou na casa. Também foram alvos de críticas os militantes em si, com crescimento de incidência das opiniões “militantes são chatos”, e “não gosto de militantes”.

Gráfico 2 - Evolução acumulada das opiniões sobre "militância" e "cancelamento"

20/1/2020 a 10/2/2021

Gráfico 3 - Evoluções diárias e acumulada das opiniões sobre "militância" e "cancelamento"

20/1/2020 a 10/2/2021

EMBORA TODOS CRÍTICOS, CLUSTERS DE OPINIÕES SE DIFERENCIAM ENTRE CONTEÚDO DA CRÍTICA E PONDERAÇÃO DE OUTROS ASPECTOS

A análise do grafo possibilita a visualização das opiniões em formatos de bolhas, e as conexões / proximidades entre as bolhas representam a quantidade de vezes em que duas ou mais opiniões foram manifestadas pelas mesmas pessoas. Desta maneira, a análise do grafo possibilita a definição de clusters de opiniões, ou seja, conjuntos de opiniões que tendem a ser manifestados pelo mesmo grupo de pessoas.

Nota-se que no grafo há uma clara distinção entre os comentários mais relacionados a militância, que estão espalhandos, e os relacionados a cancelamento, que estão concentrados na região à direita do grafo. Estas opiniões sobre cancelamento formam um cluster próprio, que se caracteriza por ser mais preocupada com o cancelamento em si do que com os motivos que levaram a ele. As razões podem inclusive ser desdenhadas, como quando presente a opinião “tudo é motivo para cancelamento”. 


Na parte superior do grafo define-se um outro cluster, denominado “reativos”, bastante crítico à militância e aos militantes. Este cluster qualifica a militância com adjetivos como “hipócrita”, “mimimi” e “exagerada”, e taxa os militantes de chatos enquanto acredita que nem tudo é motivo para militar. 

 Mais à esquerda do grafo encontra-se um outro cluster, denominado “auto-crítico”, que também é crítico à militância, porém por motivos diferentes. Nesta região do grafo, as opiniões positivas quanto à militância se fazem presentes, e as críticas são com relação ao impacto negativo gerado na própria causa.  

  

É interessante notar que o cluster “reativos” e o “auto-crítico”, por mais que sejam de certa forma antagônicos, dividem algumas opiniões críticas a militantes que militam somente por vaidade ou para “lacrar”, concordando que os mesmos deveriam agir de acordo com o que pregam. 

Já ao centro do grafo encontra-se o último cluster identificado, denominado de “propositivos”. Este cluster, por ser central, tem opiniões que tangenciam cada um dos clusters anteriores, levando-o a dividir características com os mesmos. Estas características levam-no a ser mais “ponderado”, uma vez que critica aspectos da militância apesar de reconhecer a importância da mesma. Mas além disso, o que lhe garante característica própria, separando-o dos “auto-críticos”, é o fato de conter opiniões que citam soluções.

Gráfico 4 - Clusters de opiniões sobre "militância" e "cancelamento" em menções sobre BBB21

20/1/2020 a 10/2/2021

Imagem 1 - Ilustração dos clusters de opiniões identificados sobre "militância" e "cancelamento" 

20/1/2020 a 10/2/2021

A posição das bolhas pode ser afetada pelo tamanho de seu monitor. Caso isso ocorra, sugerimos acompanhar os clusters manualmente no grafo acima.

BBB21 - Clusters de opiniões sobre mili


MOMENTO É DE AUTO-CRÍTICA E REFLEXÃO SOBRE FORMAS DE MILITÂNCIA

 

CANCELAR QUEM CANCELA É CONTRA-SENSO, E ACABA PREJUDICANDO A PRÓPRIA CAUSA QUE SE PROPÔS COMBATER

Os dados sugerem, portanto, que o BBB21 vem proporcionando um novo "espírito do tempo" mais crítico ao tema militância e cancelamento, tendo mais de 72% das opiniões com características críticas às pautas, e apenas 7,4% as defendendo sob determinadas condições.

A linha temporal das primeiras semanas de BBB21 ainda revela que os motivos das críticas também mudaram significativamente com os eventos que culminaram na saída do participante Lucas Penteado da casa.

 

Até então, quando o assunto da vez ainda era o desfile do participante Caio com maquiagem, e consequente represália da participante Lumena, as críticas se concentravam em torno da forma como a militância as vezes é exercida, e nos riscos das pessoas perderem suas espontaneidades com isso.

Com ocorridos envolvendo o Lucas, as conversas ganham um caráter de auto-crítica, com a reflexão de que as pessoas que lutam contra o cancelamento podem estar cometendo o mesmo erro ao cancelar os canceladores, e que a militância com estes traços prejudica as próprias causas que defende.

 

Vale ressaltar que, diferentemente de Caio, Lucas Penteado é um participante preto, da periferia de uma grande cidade, que pediu para sair do programa após sofrer uma série de julgamentos por participantes que também vieram deste contexto, após se assumir bissexual dentro da casa. Desta forma, os dados demonstram que a percepção de injustiça pelo público advinda deste contra-senso contribuiu para que a discussão se tornasse mais autocrítica e profunda nas redes, ganhando traços de auto-reflexão inclusive por pessoas que defendem assiduamente pautas sensíveis à militância, mas que passaram a questionar a forma, impactos e postura do emissor para que a mensagem seja melhor absorvida.

Reforçamos ainda que após a saída de Lucas, a conversa no Twitter passou a ser pautada pelo comportamento de Lumena na casa, e as críticas à militância passaram a ser acompanhadas de críticas

 



 

 

 

aos militantes, sobre a maneira com a qual os mesmos se comportam, e sobre as razões que os levam a militar.

 

Assim, a análise do período e das variações das opiniões no mesmo mostram que o principal fator das críticas sobre militância e cancelamento não é seu conteúdo, mas sim sua forma. Mesmo as principais menções a conteúdo levam em conta os prejuízos trazidos ao mesmo por conta da forma das abordagens.

 

Havia a expectativa de discussão de bandeiras da militância, como ocorreu com o machismo na edição passada, evidenciada pela presença de comentários que citam militância com a #bbb21 antes mesmo do início do programa, mas o que se viu foi uma grande conversão sobre os métodos. Não está se discutindo tanto os fins, mas sim os meios.

Para as marcas que dialogam com o assunto e mantém uma relação de confiança com público que participa desta discussão, os dados sugerem que o desafio é posicionar seus valores sem perder a empatia com todos os lados da conversa, do emissor à vitima do cancelamento. No estudo, isso foi evidenciado pela expressiva opinião "Pessoas que lutam pelo fim da cultura do cancelamento, cancelam os canceladores", mas também está presente mais sutilmente em diversas outras pensamentos, como "Militância errada prejudica a própria causa", "Redes Sociais estimulam o cancelamento" e "Militância provoca o cancelamento"

Na prática, "não cancelar os canceladores" significa exercer empatia com todos, inclusive com quem cancela. Isso não deve ser confundido com "se posicionar com neutralidade", mas sim com manifestar seus valores - inclusive militando por eles quando necessário - de uma forma propositiva, que agregue emissores e receptores do diálogo, e que no fim do dia contribuam positivamente para que os emissores também absorvam a mensagem, sem correr o risco de praticar com eles os mesmos erros que cometem com seus receptores.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

.