A CIDADE DE SÃO PAULO NA VOZ DE SEUS HABITANTES

ORBITARTICLE

FEVEREIRO 2021

by

Logo.png

COMO O SENTIMENTO DOS MORADORES DE SÃO PAULO

EVOLUIU NO ÚLTIMO ANO?

Para responder esta pergunta endereçada pelo A Vida no Centro, a Orbit DataScience analisou 4.405 comentários que mencionaram o nome da cidade de São Paulo, ou seus apelidos, no Twitter, Instagram, Facebook, YouTube e em portais de notícias, entre 31 de Dezembro de 2019 e 28 de Janeiro de 2021. 

 

Esta análise resultou na identificação de 62 opiniões diferentes sobre a cidade, que expressaram como os moradores de São Paulo percebem sua cidade, e 

como esta percepção evoluiu ao longo dos meses de pandemia da COVID-19 e das eleições municipais.

 

Os comentários que indicavam que a opinião emitida não era de um morador, mas sim de um turista, foram desconsiderados das classificações. 

 

Lhes convidamos, a partir de agora, a observar os resultados e análises deste estudo conosco.

Sejam bem-vindos!​

 

SENTIMENTO SOBRE A CIDADE FOI LIGEIRAMENTE POSITIVO NO CONSOLIDADO DOS ÚLTIMOS 13 MESES

No primeiro gráfico do estudo apresentamos os atributos mais falados pelos moradores de São Paulo, segmentados pelo sentimento positivo, negativo ou neutro sobre a cidade. Ao clicar nas faixas do gráfico, ele ainda revela as categorias e atributos mais falados pelos moradores para cada sentimento sobre a cidade.


Os dados revelam que, no consolidado dos últimos 13 meses, a cidade foi elogiada em 52,6% das conversas nas redes e criticada em 41,1% das vezes, enquanto comentários neutros representam pouco mais de 6% da amostra.

Ao clicar no gráfico e se aprofundar nos sentimentos, os dados ainda revelam que, quando elogiam a cidade, os moradores o fazem de forma mais genérica, emitindo manifestações como “amo SP”, ou “gosto de SP”. Somadas, estas duas opiniões representam 50,2% de todas as opiniões positivas sobre a cidade. 

​Por outro lado, ao emitirem comentários negativos, as críticas são mais específicas e mais pulverizadas. “SP é poluída”, e “SP tem desigualdade social” são as críticas mais frequentes, representando 19,8% das opiniões com característica negativa. 

Gráfico 1 - Opiniões sobre a cidade de São Paulo 

entre 01/1/2020 e 31/1/2021

QUANDO FALAM SOBRE SÃO PAULO, AS CARACTERÍSTICAS DA CIDADE SÃO O ASPECTO MAIS CITADO PELOS SEUS MORADOORES

DESIGUALDADE SOCIAL E POLUIÇÃO SÃO OS PROBLEMAS MAIS CITADOS NESTA CATEGORIA

O gráfico seguinte apresenta os mesmos dados do anterior, porém segmentado pelas categorias das opiniões emitidas pelos moradores da cidade. Ele nos revela que as características da cidade são o assunto mais recorrente nas conversas, com mais da metade das opiniões (51,1%). Nesta categoria, as opiniões mais mencionadas são “SP é linda”, com 11,9% do total, “SP é poluída” e “SP tem desigualdade social”, ambas com 9,9%.

A segunda categoria mais comum é a composta por opiniões genéricas, que são predominantemente

positivas.

 

As mais frequentes  foram  “amo SP” e “gosto de SP”, que isoladas representam os dois tipos de manifestações mais identificadas nas conversas.

Completam as categorias os comentários sobre lazer e cultura (7,4%), cuja principal opinião é sobre a vida noturna da cidade, problemas (5,4%), sendo os alagamentos os mais citados,  e transporte (2,9%), com imensa maioria de comentários sobre os congestionamentos que afligem  os motoristas da cidade. 
 

Gráfico 2 - Opiniões manifestadas sobre a cidade de São Paulo, por categoria

(01/1/2020 a 31/1/2021)

EVOLUÇÃO DAS CONVERSAS SUGEREM 4 FASES DISTINTAS DA DISCUSSÃO 

O próximo gráfico revela a evolução das opiniões sobre a cidade de São Paulo ao longo de todo o período estudado.

Nele, chamam a atenção quatro fases com características distintas da discussão: I) A predominância de comentários positivos até a pandemia da COVID-19, II) A grande queda na frequência de comentários após o início do período de isolamento social, acompanhada pelo crescimento de comentários negativos, III) O aumento

na frequência de comentários, principalmente positivos, coincidindo com a flexibilização da quarentena na cidade. IV) Um pequeno pico de incidência de comentários negativos entre o primeiro e segundo turno das eleições municipais.

A partir desta quatro principais variações do período, foram definidas quatro fases distintas para análise, cada uma com características particulares: a fase pré-pandêmica, a de isolamento social, a de flexibilização, e a fase de eleição e segunda onda.

Gráfico 3 - Evolução das opiniões sobre a cidade de São Paulo nos últimos 13 meses

FASE 1 - O PRÉ-IMPACTO DA PANDEMIA

QUANDO SE FALAVA MAIS SOBRE A CIDADE

O recorte gráfico abaixo apresenta o que os moradores de São Paulo falavam sobre a cidade entre 1 de Janeiro e 31 de Março de 2020, contemplando assim a única fase do estudo que analisou conversas antes do impacto da pandemia da COVID-19.

Aquela foi a fase com a maior incidência de opiniões sobre a cidade identificada nas redes, representando 32,1% de todos os comentários encontrados nos últimos 13 meses.

Os dados sugerem que isso é justificado pelo período

 

compreender a fase de maior circulação e vivência da cidade e de seus espaços públicos, incluindo o feriado de carnaval.

Quanto à percepção, há maior incidência de comentários negativos do que positivos, apesar da diferença ser muito pequena. Os principais elogios são os  genéricos “Amo SP” e “Gosto de SP”, enquanto a principal crítica fica por conta da desigualdade social de poluição. Esta situação de equilíbrio é a marca do período pré-pandêmico.

Gráfico 4 - Opiniões sobre a cidade de São Paulo na fase 1 (Pré-Impacto da pandemia)

FASE 2 - O ISOLAMENTO SOCIAL

QUANDO OS COMENTÁRIOS SOBRE A CIDADE DESPENCARAM E SE TORNARAM NEGATIVOS

 NAQUELE MOMENTO, CONSOLIDOU-SE A PERCEPÇÃO DE QUE SÃO PAULO É DESIGUAL

A segunda fase do estudo inicia-se com as políticas de isolamento social impostas pela quarentena, e compreende os meses de Abril, Maio e Junho de 2020.

Esta fase traz o que talvez seja o número mais impressionante do estudo; a queda de quase 75% na incidência de comentários sobre a cidade, no mesmo período de tempo. Este número reforça a hipótese relatada na fase 1, de que quanto maior a circulação e vivência da cidade e de seus espaços públicos, mais se fala sobre ela.

Também é destaque o crescimento expressivo dos comentários negativos, chegando a quase o dobro dos positivos. Um dos principais fatores para este crescimento são as mazelas da cidade que foram evidenciadas pela pandemia. A desigualdade social segue sendo a principal crítica, mas com relevância ainda maior em relação ao período anterior. 

Também chama a atenção o fato de que é a única fase do estudo cuja principal opinião positiva não é “Amo SP”.  O principal elogio foi o menos entusiasmado “Gosto de SP”.

Gráfico 5 - Opiniões sobre a cidade de São Paulo na fase 2 (O isolamento social)

FASE 3 - A FLEXIBILIZAÇÃO DA QUARENTENA

 

QUANDO OS MORADORES SE REENCONTRARAM COM A CIDADE

A terceira fase do estudo compreende os meses de Julho a Outubro, e foi intitulada de "Flexibilização”. Este período compreende o reencontro do paulistano com a cidade, uma vez que as medidas restritivas da quarentena começam a ser flexibilizadas. 

Este reencontro reflete claramente na incidência de comentários, com o período respondendo por 30,6% do total do estudo. Apesar desta fase ser 33,3% maior do que a fase 2, o aumento no número de comentários passou de 260%.

A alegria de reencontrar a cidade também foi

expressa nos comentários, sendo a primeira fase da linha temporal do estudo em que os moradores emitiram mais comentários positivos do que negativos sobre São Paulo. A principal opinião positiva volta a ser “Amo SP”, com considerável diferença para a segunda colocada.

Entre as críticas, a percepção de que “SP é poluída” foi o principal aspecto negativo manifestado no período; talvez influenciada pelo aumento da circulação de automóveis após os meses rígidos de quarentena.

Gráfico 6 - Opiniões sobre a cidade de São Paulo na fase 3 (Flexibilização da quarentena)

FASE 4 - ELEIÇÕES E SEGUNDA ONDA

QUANDO OS PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS VÊM À TONA

A quarta e última fase do estudo contempla o período entre 1 de novembro de 2020 e 31 de janeiro de 2021. A fase é marcada pelo aquecimento das conversas sobre as eleições municipais - que potencializaram as conversas sobre os problemas da cidade - e pela segunda onda da pandemia de covid-19, que voltou a impor restrições de funcionamento na cidade. 

É curioso notar que, apesar da alta de casos, e consequentes restrições de funcionamento, a fase apresenta alta incidência de comentários, com 29,0% do total, influenciada por comentários sobre problemas administrativos da cidade que vieram à tona durante

o período eleitoral. 

Esse fenômeno é ilustrado pelo crescimento de opiniões negativas como “SP é mal gerida”, “SP tem alagamentos”, “Centro da cidade é problemático”, e “SP é insegura”, assuntos que estiveram presentes em muitos dos debates políticos em torno de São Paulo durante as eleições municipais de 2020.

Ainda assim, os últimos 3 meses do estudo revelam um sentimento dos moradores com a cidade majoritariamente positivo, impulsionado em muitas vezes por declarações de amor e manifestações de que a cidade é linda e plural.

Gráfico 7 - Opiniões sobre a cidade de São Paulo na fase 4 (Eleições e Segunda Onda)

DADA PERCEPÇÃO DE DESIGUALDADE SOCIAL AOS PROBLEMAS ADMINISTRATIVOS:

 

4 FASES DA DISCUSSÃO MOSTRAM O IMPACTO DA PANDEMIA E DAS ELEIÇÕES NA RELAÇÃO DOS MORADORES COM SÃO PAULO

Assim, ao analisarmos a evolução das quatro fases, podemos concluir que o início da pandemia causou uma considerável mudança no padrão equilibrado de comentários sobre a cidade de São Paulo que existia anteriormente. 

Em um primeiro momento, há grande redução na incidência de comentários, fruto do auge do isolamento social. Também houve um incremento considerável nos comentários negativos, principalmente sobre a desigualdade social, que fica muito mais evidente durante o período pandêmico.

O que se verifica em seguida, uma vez que inicia-se a flexibilização do isolamento social, é  o restabelecimento da incidência de comentários em padrões pré-pandêmicos, e uma grande inversão da tendência negativa dos mesmos.

Os meses de reencontro do paulistano com sua

cidade proporcionaram primeiro momento da linha temporal estudo em os comentários positivos superaram os negativos, com grande destaque da opinião “Amo SP”

Tamanha positividade não foi abalada nem com a chegada da segunda onda de contágio nos meses subsequentes à flexibilização, e os comentários seguiram predominantemente positivos até o fim do período estudado. Contudo, é notável o aumento na incidência de comentários negativos relativos a problemas da cidade durante o período de eleições municipais. 

O debate sobre as mazelas da cidade, fomentado pelos candidatos no período do pleito, ganha maior especificidade, e acarreta críticas a problemas crônicos e administrativos, como “SP é mal gerida”, “SP tem alagamentos'' e “Centro da cidade é problemático”.

Gráfico 8 - Comparativo entre as 4 fases da discussão sobre a cidade de São Paulo

GRAFO DE COMENTÁRIOS

OS CLUSTERS DE OPINIÕES SOBRE A CIDADE IDENTIFICADOS NAS CONVERSAS

A análise do grafo proporciona, de imediato, a confirmação dos dois eixos de comentários, os positivos e negativos.  Um olhar mais profundo também é capaz de delinear clusters de opiniões dentro destes eixos. 

Dentre os comentários negativos, apesar de haver uma órbita generalizada às principais opiniões do setor, “SP é poluída” e “SP tem desigualdade social”, também há a clusterização de algumas das opiniões que compõem esta órbita. É o caso do cluster dos “mal administrados”, cuja principal opinião é “SP é mal gerida”, e associam a essa má gestão problemas como a cracolândia, os moradores de rua e questões relacionadas ao centro da cidade e segurança.

Já em outra região de setor é possível identificar o cluster intitulado “desgostosos”, composto pelas opiniões “SP é cinza”, “SP é insensível", “SP é barulhenta” e “ SP é superpopulada”.

Já no setor dos comentários positivos, apesar do

notável tamanho das opiniões “Amo SP” e “Gosto de SP”, não há uma órbita generalizada em torno das mesmas, havendo clusters destacados, além dos que orbitam estas opiniões. É o caso do cluster dos “entretidos”, o mais distante de qualquer crítica à cidade, que é composto por opiniões como “Gosto dos shoppings de SP”, “SP tem diversidade gastonômica”, “SP tem muitas opções de lazer"

Também destacam-se mais dois clusters de comentários positivos, o dos “trabalhadores”, que é composto pelas opiniões “SP é a capital financeira do Brasil” e “SP é a terra das oportunidades”, e o dos “históricos”, composta por conversas sobre a história e a arquitetura da cidade e do centro histórico.

É importante notar que tanto o cluster dos “trabalhadores” quanto o dos “históricos” encontram-se muito próximos ao setor negativo, principalmente ao cluster dos “desgostosos”, o que evidencia a relação ambígua e equilibrada que muitos moradores dizem ter com a cidade.

Gráfico 9 - Grafo de comentários sobre a cidade de São Paulo

Figura 1 - Ilustração dos clusters identificados no grafo

Clusters.JPG


TRANSFORMADOS PELA PANDEMIA, MORADORES DE SÃO PAULO SE

AFEIÇOARAM MAIS A SUA CIDADE 

Diante das análises feitas anteriormente, não há dúvidas que as opiniões dos moradores sobre São Paulo não são unânimes. Tanto o equilíbrio de prevalência de comentários positivos ou negativos quanto a proximidade de clusters positivos e negativos identificados evidenciam a relação ambígua que muitos moradores têm com a cidade. Mesmo que a ambiguidade não seja tão verbalizada, como podemos verificar dada a baixa incidência das opiniões “Amo e odeio SP”, e “Acho SP bonita e feia”, as diferentes opiniões expressas pelas mesmas pessoas, e a mudança das mesmas ao longo do tempo denotam essa ambivalência. 

Também fica claro que a chegada da pandemia provocou uma mudança na relação com a cidade, e, com esta mudança, a possibilidade de ressignificar a mesma. A vertiginosa queda e recuperação em V da incidência de comentários marcou o grande hiato da convivência do morador com a cidade decorrente do isolamento social, e que não se repetiu com a chegada da segunda onda de contágio. 

A despeito dos problemas estruturais da cidade, evidenciados pela pandemia, a visão do morador sobre a cidade tornou-se mais positiva ao longo do período estudado.

Se por um lado o impacto pandemia expôs mazelas da cidade, trazendo consigo o crescimento de críticas

à desigualdade social e insensibilidade, por outro a flexibilização do isolamento proporcionou um reencontro deste morador com sua cidade, fazendo com que se desse conta de quanto gosta dela.

Outra descoberta resultante das análises é a mudança de objeto de discussão causada pelo período eleitoral. Como era de se esperar, as semanas que antecedem o pleito capitalizam discussões sobre os problemas administrativos da cidade. 

Este tipo de crítica, ilustrada em categorias como segurança, cracolândia e mazelas do centro da cidade, tiveram uma discussão menor ao longo do ano, e um pico de incidência nas semanas que antecederam a eleição. Já problemas agudos e sazonais, como os alagamentos do verão, e o excesso de poluição no período de seca, tiveram picos em seus períodos sensíveis, mas também foram muito mais discutidos no mês de Novembro.

Por fim, é importante ressaltar que nos dias próximos ao aniversário de São Paulo, quando a discussão sobre a mesma é estimulada por matérias e reportagens, há uma grande incidência de comentários extremamente positivos. Assim, apesar de ter ciência e conversar o ano todo sobre os problemas de sua cidade, o morador da cidade de São Paulo ainda declara seu amor no dia 25 de Janeiro.