O QUE OS BRASILEIROS ESPERAM FAZER QUANDO SE VACINAREM...

ORBITARTICLE

bg_footer_edited.png

AGOSTO 2021

by

Logo.png

O QUE O BRASILEIRO PLANEJA FAZER UMA VEZ QUE VACINADO?

Para compreender o que está nos planos dos brasileiros após a imunização contra a COVID-19, nós classificamos e analisamos 1.844 comentários em redes sociais que citaram  a frase “depois de me vacinar” e outras 11 derivações da expressão, entre 20 de Fevereiro de 2020 e 21 de Junho de 2021.

 

Contribuíram para a base de dados comentários publicados no Twitter, Instagram, Facebook, e YouTube, e os comentários classificados para o estudo representam uma amostra com 99% de nível de confiança e 3% de erro amostral de tudo que se falou nas redes sobre o assunto no período.

 

O recorte temporal inicia-se 6 dias antes do registro do primeiro caso de COVID-19 no Brasil, quando já notou-se um princípio de discussão sobre o tema, e visa estabelecer uma comparação entre a evolução

 

das opiniões analisadas e a evolução da pandemia no Brasil.

 

A análise dos comentários levou à descoberta de 122 opiniões, que compõem 20 diferentes categorias sobre o tema, e foram analisadas em 4 distintas fases.  Esses resultados apontam para três principais vertentes de associação com o momento pós-vacina, a de emoção, de celebração e de retomada.

 

As principais descobertas do estudo são apresentadas abaixo, juntamente com gráficos interativos que buscam observar melhor as opiniões, como se relacionam, e como evoluíram a partir dos acontecimentos que marcaram o período pandêmico no Brasil.

 

Lhes convidamos a interagir com eles. Sejam bem-vindos!

Depois de me vacinar eu vou… Extravasar!

E celebrar muito nas redes sociais.

O primeiro gráfico do estudo traz todas as opiniões registradas no mesmo, divididas em suas respectivas categorias. Já é possível notar que, embora não haja uma só categoria de grande destaque com relação às outras, há uma concentração de incidência em 5 categorias, que respondem por 68,1% do total, são elas: Frequentar Lugares, Festejar, Estar com Pessoas, Aplicação da Vacina e Sentimento.

 

Além de concentrarem grande parte das opiniões, também é destaque que as 5 principais categorias têm resultados bastante similares, com a diferença entre a primeira (Frequentar Lugares) e a última (Sentimento) ficando em somente 3,4 pp.

Já ao analisarmos a incidência das opiniões, notamos

que “Extravasar” foi a principal opinião do estudo, com 7,6% do total Também chama a atenção que 2 entre as 5 opiniões mais frequentes fazem parte de categorias que não compuseram o grupo das 5 principais do estudo. São elas “Celebrar minha vacinação pelas redes sociais”, segunda colocada com 5,3% do total, e parte da categoria “Redes Sociais”,  e “Ficarei menos rígido com as medidas de segurança” quarta colocada com 5,1%, e parte da categoria “Protocolo sanitário”.

Entre as principais categorias do estudo, além da líder “Extravasar”, que compõe a categoria “sentimento”,  as opiniões mais frequentes por categoria foram:

  • Frequentar lugares - Passar tempo fora de casa (4,4% do total)

  • Festejar - Vou beber (4,1% do total)

  • Estar com Pessoas - Encontrar amigos (3,9% do total)

  • Aplicação da Vacina - Vou criar uma memorabília (3,8% do total)

Gráfico 1 - Consolidado das expectativas sobre "o que fazer ao se vacinar"

20/2/2020 a 21/6/2021

Evolução da Pandemia no Brasil impacta a conversa sobre vacina.

No início da pandemia, a expectativa era por voltar a frequentar lugares. Após 8 meses do primeiro caso no Brasil, as redes passaram a clamar por extravasar e celebrar a vacina nas redes sociais.

O próximo gráfico do estudo apresenta a evolução das opiniões entre fevereiro de 2020 e junho de 2021. o. É nítido que as primeiras semanas do recorte, que compreenderam a chegada do coronavírus ao Brasil e início da quarentena, registram poucas opiniões, uma vez que não havia até então uma noção consolidada do tamanho do impacto da pandemia, nem do papel fundamental que as vacinas teriam na superação da mesma. 

Com a aceleração de mortes e contágios, e consequentes renovações dos períodos de quarentena, as opiniões sobre vacinação tornam-se não só mais frequentes, mas também mais variadas, já que no início registrou-se basicamente opiniões sobre frequentar lugares e festejar.  

Também chama a atenção que em Outubro “Extravasar” torna-se a principal opinião do estudo,

superando as que falavam sobre frequentar lugares.

 

Este fato pode ser explicado pelo fim da primeira onda de contágio no Brasil, que levou mais pessoas a relaxarem o distanciamento social, consequentemente dando vazão aos seus desejos de frequentar lugares, porém ainda não extravasando o quanto queriam. 

Por fim também nota-se um grande aumento na incidência da opinião “Celebrar minha vacinação pelas redes sociais” nas semanas que antecedem e sucedem o início da aplicação de imunizantes contra a COVID no Brasil.  

A análise do gráfico de evolução demonstra que há claramente diferentes fases no período estudado, e que  faz-se pertinente uma análise da variação das opiniões nas mesmas, o que será feito a partir dos próximos gráficos.

Gráfico 2 - Evolução acumulada das expectativas sobre "o que fazer quando se vacinar"

20/2/2020 a 21/6/2021

As 4 fases da expectativa pela vacina…

Fase 1: A incerteza e o desejo de voltar a estar com familiares e amigos.

A pertinência de um estudo sobre o que as pessoas vão fazer uma vez que forem vacinadas se dá a partir do momento no qual a vacinação é colocada como o principal fator para a superação da pandemia. Assim, os diferentes estágios do desenvolvimento dos imunizantes também tornam-se diferentes estágios com relação a expectativa da superação da pandemia.

 

Os próximos gráficos trazem as opiniões do estudo divididas em 4 fases, que são definidas por fatos importantes relacionados ao desenvolvimento e aplicação dos imunizantes, e que consequentemente repercutiram e influenciaram as opiniões do estudo.

A primeira fase constitui o período inicial da pandemia, caracterizado por grande incerteza sobre o desfecho da mesma, e com a vacina sendo uma solução ainda distante, próxima a um sonho.

 

A distância da vacina é o principal fator que justifica a incidência de somente 3,1% do total de opiniões nesta fase, apesar dela representar 23,5% do período estudado. O choque da chegada da quarentena rígida também faz com que “Estar com pessoas” seja a principal categoria do período, com 16,7% do mesmo, sendo “Abraçar alguém” a principal opinião da mesma. 

Gráfico 3 - Fase 1 das conversas sobre "o que fazer quando se vacinar"

Fevereiro 2020 a Maio 2020

Fase 2: O início dos testes de vacinas com voluntários no Brasil, e o desejo de sair de casa.

O mês de Junho de 2020 marca o início de testes de vacinas com voluntários no Brasil, marcando também o início da fase 2 do estudo. A fase traz um aumento considerável de comentários sobre o que fazer após a vacinação,  uma vez que a vacina já é vista como potencial única solução para a pandemia, somando para 26,5% do total do estudo, representando 35,2% do período estudado.

A principal categoria deixa de ser “Encontrar Alguém” e passa a ser “Frequentar Lugares”, o que indica que possivelmente as pessoas já começaram a

encontrar outras pessoas.

 

A grande característica da fase é ascensão de opiniões que evidenciam uma estafa desenvolvida por meses de quarentena contínua, e ainda sem clara perspectiva de fim.

 

É o caso de “Extravasar” e “Passar tempo fora de casa”, que passam a ser as duas principais opiniões e “Vou criar uma Memorabília” que passa a ter destaque e denota a importância da aplicação da vacina para os que opinaram.

Gráfico 4 - Fase 2 das conversas sobre "o que fazer quando se vacinar"

Junho 2020 a Novembro 2020

Fase 3: A primeira aplicação no mundo, e a expectativa de chorar e se emocionar quando ela chegar ao Brasil.

Em Dezembro de 2020 dá-se o início da aplicação da vacina no mundo, trazendo a esperança de um fim próximo para a pandemia, e alterando consideravelmente o teor das conversas sobre o que fazer após a vacinação, inaugurando assim a terceira fase do estudo. Primeiramente nota-se um grande aumento na incidência de opiniões, se a fase representa apenas 11,8% do período estudado, ela concentra 35,6% das opiniões registradas.

A grande marca do período é o salto da categoria

 

“Aplicação da Vacina” ao posto de principal da fase, com 17,8% do total, evidenciando que as pessoas vêm a vacinação cada vez mais próxima, e já imaginam concretamente o momento no qual serão vacinadas.

 

Por outro lado, “Encontrar Pessoas”, que já foi a principal categoria da Fase 1, não passa da quinta posição na fase 3, o que aponta para um claro relaxamento do distanciamento social, que coincide com as festas de fim de ano. 

Gráfico 5 - Fase 3 das conversas sobre "o que fazer quando se vacinar"

Dezembro 2020 a Janeiro 2021

Fase 4: A vacina em meio à segunda onda no Brasil, e a expectativa por beijar, extravasar e protestar contra o Governo Federal.

A última fase do estudo iniciou-se em Fevereiro de 2021, juntamente com o início da imunização em massa no Brasil. A fase traz uma queda na incidência de comentários com relação à fase anterior, mas ainda é significantemente maior do que as fases 1 e 2, somando para 34,4% do total, enquanto representa 29,4% do período.

Além do início da imunização no Brasil, a fase também contempla a fase de grande recrudescimento da pandemia no país, com a chegada da segunda onda de contágio.

Isso explica dois pontos de atenção na fase: a volta de “Encontrar Pessoas” ao posto de principal categoria, e a ascensão da opinião “Continuarei adotando as medidas de segurança”, quinta principal opinião da fase, que ainda traz “Extravasar” como líder.

 

Também são destaques o crescimento de opiniões sobre viagem, o que indica que as pessoas já fazem planos concretos para o pós-vacina, e a opinião “Protestar contra o Governo Federal”, que tem 63,8% de sua incidência concentrada na fase 4, chegando ao posto de décima principal da fase.

Gráfico 6 - Fase 4 das conversas sobre "o que fazer quando se vacinar"

Fevereiro 2021 a Junho 2021

Celebração, Emoção e Retomada são os três principais clusters de expectativas  sobre a vacinação

O último gráfico do estudo apresenta as opiniões manifestadas anteriormente em uma nova visualização, que também traz a relação entre opiniões que foram manifestadas pelas mesmas pessoas. A análise do gráfico aponta para a formação de três diferentes regiões de influência no mesmo, que sugerem 3 diferentes personas que comentam sobre o assunto. 

Primeiramente há um clara esfera de influência da opinião “extravasar”, principal do estudo, e que é orbitada por diversas opiniões de festejo, e algumas de encontrar pessoas também relacionadas a festejo, como “beijar na boca” e “fazer sexo”. Esta região do gráfico forma a principal persona do estudo, bastante ligada a celebração. 

Ao lado oposto do gráfico, há uma concentração de

opiniões sobre o momento de aplicação da vacina, que são cercadas por opiniões que expressam sentimentos. “Vou chorar” se relaciona com sentimentos como “vou me sentir livre”, “vou ficar feliz”, e também com “vou criar uma memorabília”, que por sua vez se relaciona com mudanças no visual e registros do ato da vacinação. A região forma uma persona bastante ligada a emoção. 

Por fim, há uma região mais central no gráfico definida por concentrar opiniões das categorias “Frequentar Lugares” e “Viagens”, também próxima à opinião “Encontrar Amigos”, e que se relaciona em algum grau com ambas as regiões apresentadas anteriormente. A região, por mais que seja influenciada por opiniões de celebração e de emoção, tem como cerne a volta de atividades corriqueiras antes da pandemia, formando assim a terceira persona do estudo, a persona da retomada. 

Gráfico 7 - Grafo das conversas sobre "o que fazer quando se vacinar"

20/1/2020 a 10/2/2021

Ilustração 1 - Personas / Clusters de opiniões nas conversas "o que fazer quando se vacinar"

20/1/2020 a 10/2/2021

Clusters - Quando eu me vacinar.PNG

A vacina como solução para pandemia, e o momento pós-vacina como solução aos diferentes desejos e anseios pandêmicos.

A ideia do que fazer uma vez que for vacinado está intrinsecamente ligada à experiência vivida durante a pandemia. Em um primeiro momento, com o choque de uma quarentena nunca vivida antes, a prioridade era reencontrar familiares e amigos. Porém, a inesperada e longa permanência em isolamento social potencializa o desejo de extravasão e festejo, uma vez que reencontros mais fundamentais passam a ocorrer, principalmente com o declínio da primeira onda de contágio.

Em paralelo, as expectativas para o momento da vacinação ganham bastante carga emocional conforme o desenvolvimento dos imunizantes avançam, e uma solução parece estar a caminho. O início da imunização no mundo marca um período de alta expectativa para o momento da aplicação da

vacina, com planos de criação de memorabílias e marcos simbólicos. 

Contudo, o início da imunização em massa no Brasil vem acompanhado da grande escalada de casos e óbitos, e o recrudescimento da pandemia traz de volta o desejo de reencontrar pessoas, e retomar atividades. Desta vez, porém, estes desejos vêm acompanhados de uma grande carga emocional acumulada, e de planos mais concretos quanto ao pós-vacina, uma vez que a data da vacinação fica cada vez mais próxima. 

A expectativa do brasilero após a sua vacinação pode se resumir em três principais clusters de opiniões: extravasar, se emocionar e retomar.

.